quinta-feira, 21 de julho de 2011

Sobre o amor!

Seria o amor uma ferida que dói e não se sente? Seria o amor capaz de nos fazer sentir vontade de estar preso? Pra mim, Camões, assim como muitos poetas, figuram o amor em seus versos apaixonados (ou não) para mostrar aos leitores a sua paixão. Confuso né?
Bom, segundo o dicionário Michaelis Moderno da Língua Portuguesa, amor é um sentimento que impele as pessoas para o que se lhes afigura belo, digno ou grandioso. Ou ainda afeição, grande amizade, ligação espiritual. Então, se amar é querer bem alguém, Drummond estava certo quando escreveu “Que pode uma criatura senão, entre criaturas, amar?”.  Bom, eu acredito que tudo neste mundo tem um lado negativo. Com o amor não é diferente. Ele chega a se tornar uma doença.  Ele pode te ferir. Ixi! Dores de cotovelo por um amor não correspondido.  Todo mundo já sofreu por amor. Inclusive eu, por mais que possa não parecer. Por trás deste coração gelado, desta pedra que muitos pensam existir em mim, existe muito amor para dar. Não só para o meu príncipe encantado, que eu to esperando aparecer, mas também existe muito amor para dar aos meus amigos, à minha família, muito amor para dar ao mundo!
O grande homem já dizia: Ama o próximo como a ti mesmo. As pessoas não entendem que o amor não é restrito apenas a casais apaixonados. Paixão e amor são coisas diferentes. Amor é universal. Eu amo, tu amas. Nós nos amamos.
Até Nietzsche acreditava no amor. (Aquilo que se faz por amor está sempre além do bem e do mal.). Minha gente, o amor é bom, não quer o mal, não sente inveja ou se envaidece. (Renato Russo).
O amor tem várias faces. Amor de pai, amor de filho, Amizade, amor de vó, amor de neto, amor de irmão, amor de homem e mulher, amor platônico (um dia escrevo sobre esse amor, que me faz suspirar sozinha e que me deixa com as pernas bambas), o amor não correspondido (o meu caso) etc.
A poesia mostra muitas faces do amor. AS crônicas, as prosas, as narrações também. Tudo neste mundo tem amor. Até nas guerras santas existe amor. Eles amam Alá e os outros a Jeová. É um amor, estranho amor.
(eu me empolguei) Eu quase nunca falo de amor. Preciso aprender muito sobre ele. Preciso aprender a me amar para que as pessoas me amem também. Oferecer amor é querer amor de voltar.
O importante é que no amor não existe regra pois como disse Drummond: “Amor é dado de graça, é semeado no vento, na cachoeira, no eclipse. Amor foge a dicionários e a regulamentos vários”.


Então, façamos, vamos amar! (Chico Buarque)
Postar um comentário