sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Equilibrista

A vida não me sorri nem com um sorriso banguela. Não me dá mais flores e nem me deixa scraps de bom dia. A vida parece uma criança travessa que teima em fazer tudo pelo contrário. Comigo é assim. Eu paro de reclamar e tudo acontece da pior forma. Eu começo a ser feliz e só acontece desgraça. Eu rezo e o capeta me atenta. Eu dou risadas e lágrimas caem de meus olhos. Essa é a minha vida. Sempre ouço que tudo vai mudar, que dias melhores virão, que as coisas vão se ajeitar. Dizem para eu ter esperança. Esperança, esperança. Pra mim, é como diz a música: "A esperança dança na corda bamba, de sombrinha e em cada passo dessa linha pode se machucar...".
Postar um comentário