quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

A poesia.


Ela queria tanto fazer uma poesia.
Transformar seus sentimentos
Em letras rimadas.
Palavras com encaixe perfeito.
Versos coloridos – e não brancos.
Ela quis e, tentou.
Rimou casa com asa.
Leveza com mesa,
Beleza com tristeza.
E nada saiu do seu bloquinho de anotações.
Anotações.
Ela lembrou da professora
De português, do ensino fundamental.
Do Mestre do ensino superior.
Ela fez a sua poesia
Pintou com palavras abstratas
Transformou o que viveu
O que fez, o que viu
Na sua única obra-prima.
Usou verbos
Interjeições.
Figuras de linguagem.
Ela fez A poesia.
Rimou as palavras
Rimou com vida.
A sua própria.

Depois,
Caiu no esquecimento e
Virou vendedora na banca de jornais da cidade.
Postar um comentário