quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

PARADA.


Dizem que, uma pessoa sempre escreve sobre aquilo que sente, que vive. Talvez isso explique porque o blog anda tão parado. Meu cotidiano está mais parado do que a estátua da praça. Sobre vida amorosa? Estou mais encalhada do que o Titanic no fundo do mar. Ah! Sobre minha vida virtual? Estou querendo cometer um suicídio. O fato que é poucas coisas estão me animando, ultimamente. Palavras-cruzadas. Músicas estrangeiras. Séries. Livros do ensino fundamental. Trabalhos da antiga faculdade. Limpar a casa. Uma vidinha medíocre para alguém que fazia tantos planos em ser alguém. Tornei-me alguém. Na verdade, só mais alguém no mundo. Não sinto mais vontade de pegar uma pena e um papiro. Não tenho vontade de pegar um Machado de Assis, uma Cecília Meireles. Nem mesmo, Vinicius Moraes me motiva. Então, as páginas deste blog ficam desatualizadas. Porque dizem que escrevemos sobre o que sentimos. Não sinto nada. Sinto-me como um nada. Escrever sobre o que vivo? Acreditem, limpar a casa é entediante. Viver no twitter também pode se tornar. Mas, eu pensei: E se alguém me ajudar? Quem sabe eu comece a querer ter uma vida normal, de novo. Preciso de um empurrão. Estou apelando, hein! Bom, vou esperar alguém me ajudar. Mas, na verdade eu sei que tudo depende apenas de mim. Especialmente, para preencher e atualizar as páginas deste diário. 
Postar um comentário